Fora Bolsonaro e Mourão!

Vai começar a primeira eleição no governo do direitista Bolsonaro, e em meio à pandemia do coronavírus. Muitos políticos fazem falsas promessas, prometendo resolver todos os problemas que vivemos nas cidades. Mas nós dizemos a verdade: os profundos problemas de São Paulo e do país não vão se resolver através das eleições e das instituições desse sistema político golpista. Nem com o STF, o poder judiciário, Rodrigo Maia, deputados e senadores ou com governadores como João Doria. Eles estão a serviço dos milionários e foram parte do golpe institucional, apoiaram a prisão arbitrária do Lula e garantiram a chegada de Bolsonaro ao poder. Quem deve decidir os rumos do país é a maioria da população.

Anulação de todas as reformas!

Por isso nós lutamos por um governo de trabalhadores em ruptura com o capitalismo, mas acompanhamos todos os trabalhadores e jovens que rechaçam os ataques antidemocráticos desse sistema podre e autoritário, chamando a lutar para mudar o conjunto das regras do jogo, e não apenas alguns jogadores, impondo com a nossa luta uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana, com a população elegendo representantes para anular a reforma trabalhista, da previdência, o teto de gastos e todos os ataques, e lutar para colocar toda a estrutura econômica e social a serviço das maiorias trabalhadoras e em defesa das florestas, destruídas pelas queimadas criminosas do agronegócio, dos grileiros e das mineradoras.

Unidade para lutar, não para administrar o regime golpista!

Queremos defender os nossos direitos sem repetir o caminho do PT, que governou com a direita e agora está em várias cidades coligado com o PSL, ex-partido de Bolsonaro. Nessas eleições, queremos debater quais são as tarefas da esquerda pra enfrentar todos os ataques, construindo essa candidatura para fortalecer nossas lutas, por moradia para todos, com uma reforma urbana radical contra a especulação imobiliária, contra o desemprego, os salários baixos e a precarização do trabalho, ao lado dos entregadores, terceirizados e unindo toda a classe trabalhadora, composta por uma maioria de mulheres e negros.

Queremos enfrentar Covas, Russomano, Márcio França, Joice Hasselman e todos esses políticos amigos dos grandes patrões que querem atacar os serviços públicos com a reforma administrativa no país, no estado de São Paulo (com o PL 529 de Doria) e na capital. Para isso vamos precisar superar as burocracias sindicais, desde as mais mafiosas como a Força e a UGT, até as dirigidas pelo PT e PCdoB: a CUT e a CTB, que tentam impedir a nossa luta. A Bancada Revolucionária de Trabalhadores é a única que aponta um caminho realista: para conquistar nossas demandas em São Paulo é preciso uma luta da classe trabalhadora, das mulheres, dos negros e LGBTQI em todo o país.

  •  

Contra Bolsonaro e

Mourão